Boas-vindas

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Há amor em mim, sim!

         
          Eu nem havia percebido, mas existe amor em mim. Olho bem aqui ao lado, Davi brincando, olho pra cima, João sorrindo na foto, mais um pouquinho, outra foto: meus filhos, ainda pequenos, sorrindo, também. Isso é amor. Muitas lembranças, isso é amor.
          Sempre me protegi do amor. Não queria sofrer. Grande bobagem. O que é a vida sem um "cadinho" de sofrimento? Achava que, amando, estaria vulnerável e, consequentemente, quando esse amor acabasse, sofreria, sentiria muitas dores e me desesperaria e despencaria e, pior, estaria disponível para outros amores, tão sofríveis quanto. Choraria, lógico, não sou de ferro.
          Moral da história: não há moral. Sofri. Chorei, muito. Mas não despenquei. Aguentei calada, mesmo triste, às vezes, me fazia de forte. E (quase) ninguem nunca soube. E ninguem me consolou. Não recebi abraços confortadores, nem palavras amigas, do tipo não fique assim, vai passar, estou aqui pra te ajudar, pode contar comigo, chora que é bom, desabafa. E, levando em consideração que nunca fui sozinha, tenho família e amigos, muito presentes, não há desculpas. Só arrependimento. Me coloquei numa redoma e o tempo passou.
          Estou mudando. Antes tarde do que nunca! Ainda não choro em público, morro de vergonha. Choro no banho, que a água leva tudo. Fico triste e me calo. Desabafo no carro, entre idas e vindas. Até canto de tristeza...
          E o amor tão grande que sinto pelos meus...não doi, nem incomoda, me completa, me anima. Ainda preciso contar isso a eles. Que é verdade, sim, há amor em mim, muito. E quero compartilhar, mesmo quando o coração aperta e parece que doi.
          Será que saberão? Mesmo que eu não diga? Que estou tentando falar de amor?
          Espero, sinceramente, poder fazê-los acreditar...

Obrigada

Este post faz parte da Blogagem Coletiva "Há Amor em Mim" - promovida pela Elaine Gaspareto em comemoração aos 3 anos do blog - Um Pouco de Mim.
Elaine, parabéns pelo blog, maravilhoso. Parabéns para você, sempre tão solícita, ajudando, dando dicas, aconselhando...
Share |

9 comentários:

Mari disse...

Vovó Grace, nem sempre o amor tem que ser dito. Ações, as vezes, são suficientes. Por esse cantinho, seus docinhos, suas fotos e os seus...com certeza eles sabem sim, que vc os ama. Sofrer? Quem não sofre? Pena faz olhar pra tras e não ter vivido. É melhor amar e perder que nunca ter amado. Bjs

ValLindinha disse...

Fugir do amor é fugir de ser humano. Como disse Saramago "Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia."

Alessandra disse...

Oi
Grace!
Linda sua mensagem!Sempre é tempo de mudar para ficar mais feliz!
Bjo Bjo
Também estou participando e aproveitei para te seguir.


http://eutenhopressaemuitacoisameinteressa.blogspot.com/

Bianca disse...

Oi Grace,
Tb participei da blogagem coletiva e passei aqui para te conhecer.
Não há como fugir do amor, né? mesmo que a gente tente muito, rs.
Bjs

eva disse...

Sempre dá tempo de aprender a compartilhar, a mostrar mais amor. Parabéns pelo texto. Um grande beijo

Bel Rech disse...

Muitas vezes precisamos do amor do nada, sentir que somos amados...saber que estamos presentes...
Paz e bem

Vanessa disse...

Passando para ler seu texto na coletiva da Elaine. Belo texto.

Abraço

DULCI disse...

Grase conhecendo os blogs e encontrei vc . Parabéns . DEUS TE ABANÇOE.

JUBILEU DE OURO - GUADALUPE disse...

Por acaso achei seu blog e me emocionei. Seus produtos são primorosos e você tem muito talento para escrever. Grace seu texto me surpreendeu sempre te vi muito bem resolvida, sem grilos,não conseguia te ver chorando. Talvez pela distancia. Pena não ter convivido mais, de qualquer forma os amo, mesmo de longe. Um grande beijo e vocês( todos ) estão nas minhas orações. Sucesso. Keila frauches

Web Statistics